Homem com H, de Humano

  • Human
  • Por Christina Perri

Os homens que a sociedade cobra e constrói, não necessariamente são aqueles que queremos. Venha saber mais sobre como a literatura pode, ou não, retratar este ser.

Po: @MoxTravassos

Séculos de conteúdos literários, nos quais nossos homens foram massivamente descritos, sem dar-lhes o direito de vivenciarem a sua sensibilidade, suas emoções, fora dos padrões impostos socialmente, na respectiva época.


Homem não chora!


Não chora?!


"É melhor ser temido do que amado." Já dizia Nicolal Maquiavel na obra "O Príncipe", na qual o autor direciona comportamentalmente como deve ser nos negócios públicos e,  principalmente, como conquistar e manter-se no poder, abdicando de questões sentimentais. Eu não sei vocês, mas eu prefiro ser amada e ser respeitada sem a presença do medo. A frase diz a dureza, da qual muitos homens foram convencidos a assumir e se comportar, em uma sociedade repressora, a qual o empoderamento masculino é uma referência do embrutecido,  desde pequenos homens são ensinados diversas convenções sociais comportamentais que servem de parâmetro para medir e categorizar sua masculinidade.


"Homens não usam rosa".


"Homens não brincam de

boneca".


"Homem que é homem não nega fogo".


"Homens pagam contas".


Quantos de nós em nossas leituras, encontramos homens empunhando espadas e dominando reinos, ou sendo descritos dentro de seus ternos sérios de risca de giz, sisudos?! Posso eu citar uma série de trechos de livros, de diferentes tempos e culturas, nos quais não veremos nenhum homem fazendo tarefas domésticas, enquanto suas esposas, provedoras do lar, chegam em casa com o jantar pronto feito pelo marido.


Homens que choram, pais que ajudam efetivamente na criação de seus filhos, sendo visto isso com tamanha normalidade. Homens que usam saias fora da era Vitoriana e da era da androginia, sem terem a sua masculinidade questionada.


A literatura cosmopolita precisa enaltecer homens que gostaríamos de ter em nossas vidas... Confesso que dei a sorte ao conhecer alguns homens dos quais eu mesma lhes concederia livros de contos e romances, escrevendo sobre sua belíssima sensibilidade, a liberdade da qual permitem se expressar, sem o conceito engessado de masculino.


Qual tipo de homem você gostaria de ter em suas leituras?!

Homens que choram, pais que ajudam efetivamente na criação de seus filhos, sendo visto isso com tamanha normalidade.